Bolsonaro ignora Abin e usa WhatsApp para comandar governo no Brasil

Primeiro réu por clonagem de chip de celular pega 10 anos de prisão
Primeiro réu por clonagem de chip de celular pega 10 anos de prisão
fevereiro 13, 2019
Ator tem celular clonado e contatos recebem mensagens perigosas
fevereiro 25, 2019
Bolsonaro ignora Abin e usa WhatsApp para comandar governo no Brasil

via: https://m.tecmundo.com.br/seguranca/138691-bolsonaro-ignora-abin-usa-whatsapp-comandar-governo-brasil.htm

O presidente Jair Bolsonaro tem uma relação de proximidade com o WhatsApp que ultrapassou até pedidos expressos da Agência Brasileira de Inteligência (Abin): Bolsonaro usa o aplicativo como meio de comunicação entre seus ministros, autoridades, governadores e qualquer tipo de comunicação presidencial. A Abin não acredita que essa seja a saída mais segura como forma de comunicação.

Existem diversos métodos que permitem a leitura de mensagens de terceiros por meios criminosos

Para proteger o presidente e seu governo, a Abin disponibiliza um celular conhecido como Terminal de Comunicação Segura (TCS), um dispositivo criptografado que deve ser utilizado por autoridades para tratar de assuntos de interesse público, segundo a Folha de SP. Contudo, Bolsonaro ignora a existência do TCS e utiliza um smartphone comum, com todas suas falhas e vulnerabilidades, para trocar mensagens, artigos e notícias entre autoridades.

A escolha de Bolsonaro é simples: o TCS não permite a instalação do WhatsApp, que é um aplicativo fácil de usar. O TCS também não libera a instalação do Twitter, rede social que se tornou canal de comunicação oficial do governo federal. Ainda, impede a instalação do Instagram, outro canal de comunicação do presidente, que conta com mais de 10 milhões de seguidores. Mas por que ele não permite a instalação? Porque se trata de um dispositivo seguro: aplicativos possuem falhas e, hora ou outra, a segurança do presidente pode ser afetada por vulnerabilidade — antiga ou nova — descoberta e explorada.

Segundo a Folha, o uso do WhatsApp “é visto com reserva por integrantes do setor de inteligência do Palácio do Planalto”, cujos integrantes acreditam que o aplicativo não seja seguro o suficiente para garantir o sigilo das mensagens trocadas.

O dispositivo oferecido pela Abin possui um app de conversas parecido com o WhatsApp

É preciso notar o seguinte: o WhatsApp possui criptografia de ponta a ponta e, sim, as mensagens seguem seguras por lá. Contudo, existem vários métodos que permitem a leitura de mensagens de terceiros por meios criminosos. Por exemplo, estamos falando de ações que vão desde a clonagem de chips até a infecção por arquivo malicioso no smartphone Android usado por Bolsonaro — e, como o presidente gosta de compartilhar links pelo celular, isso não é algo extremo de ser atingido por um cibercriminoso.

Sobre o caso, o porta-voz do governo, Otávio Santana do Rêgo Barros, disse que Bolsonaro “utiliza para o envio de mensagens informais. Em relação aos assuntos que exigem reserva, ele opta pelos meios de comunicação da Presidência da República”.

O celular da Abin

O dispositivo oferecido pela Agência de Inteligência possui um aplicativo de conversas parecido com o WhatsApp. Possui chave de criptografia e servidor, tudo administrado pela própria Abin. Contudo, ele não é tão prático quanto o aplicativo de mensagens mais usado no Brasil — por isso a resistência de Bolsonaro.

Sobre presidentes anteriores, sabe-se que Dilma Rousseff recorria aos aparelhos de assessores pessoais e só comprou um smartphone poucos meses antes de ser tirada da presidência. Michel Temer, que chegou logo em seguida, raramente respondia mensagens e preferia o contato via telefone.

Além do celular criptografado, a Abin oferece como meios seguros de comunicação um email (também criptografado) e um telefone fixo com sistema de segurança.

 

Conheça o Smartphone Blindado BlackBerry e tenha uma comunicação livre, segura, sem risco de grampos e interceptações ilícitas.

× WhatsApp